Causas do Autismo

Publicado em 15 de novembro de 2017

Causas do autismo

Recomendações para prevenção do autismo são desconhecidas, os únicos cuidados são os gerais para todas as gestantes, como evitar a ingestão de produtos químicos, tais como remédios, álcool ou fumo, dentre outras recomendações. Segundo Mello (2007, p17) as causas do autismo são desconhecidas. Alguns especialistas acreditam que a origem esteja em anormalidades em alguma parte do cérebro. Outros afirmam que possa ser causado por problemas ocorridos durante a gestação ou momento do parto. Não há uma causa em especifico, e sim uma série de fatores que contribuem com o desenvolvimento do transtorno.

Assim, existe um conjunto de fatores que colaboram para que o autismo seja desenvolvido.

Manifestações mais comuns

De acordo com Mello (2007, p. 17) “[…] pode manifestar-se desde os primeiros dias de vida, mas é comum pais relatarem que a criança passou por um período de normalidade anteriormente à manifestação dos sintomas”.
É comum também estes pais relacionarem a algum evento familiar o desencadeamento do quadro de autismo do filho. Este evento pode ser uma doença ou cirurgia sofrida pela criança ou uma mudança ou chegada de um membro novo na família, a partir do qual a criança apresentaria regressão.

Normalmente, o que chama a atenção dos pais inicialmente é que a criança é excessivamente calma e sonolenta ou então que chora sem consolo durante prolongados períodos de tempo. Uma queixa frequente dos pais é que o bebê não gosta do colo ou rejeita o aconchego (MELLO, 2007, p.18).

Melo (2007) aponta que mais tarde os pais notarão que o bebê não imita, não aponta no sentido de compartilhar sentimentos ou sensações e não aprende a se comunicar com gestos comumente observados na maioria dos bebês, como acenar as mãos para cumprimentar ou despedir-se.

Geralmente, estas crianças não procuram o contato ocular ou o mantêm por um período de tempo muito curto.
É comum o aparecimento de estereotipias, que podem ser movimentos repetitivos com as mãos ou com o corpo, a fixação do olhar nas mãos por períodos longos e hábitos como o de morder-se, morder as roupas ou puxar os cabelos.

Problemas de alimentação também são frequentes, podendo se manifestar pela recusa a se alimentar ou gosto restrito a poucos alimentos. Problemas de sono também são comuns.

Ainda segundo Mello (2007) considera-se que em 30% dos casos de autismo ocorra epilepsia. O aparecimento da epilepsia é mais comum no começo da vida da criança ou na adolescência. As manifestações citadas são as mais comuns, mas não são condições necessárias ou suficientes para o diagnóstico de autismo.

 

REFERÊNCIAS: MELLO, A. M. S. R. de. Autismo: guia prático. 8. ed. São Paulo: AMA; Brasília: CORDE, 2007.

^